Estudo encontra quase 1 em 5 pequenas empresas afetadas por fraude em 2018

Uma nova pesquisa da Merchant Machine revelou quais empresas estão mais propensas a correr riscos em todos os setores e tamanhos. A análise também analisa o risco em dez países e o número de violações de segurança e incidentes por setor.

Como o tamanho de uma empresa afeta a segurança?

Naturalmente, à medida que um negócio aumenta de tamanho, o risco também aumenta, não apenas em relação à tecnologia, mas também em várias outras áreas. As empresas maiores estão sob a maior ameaça, com 29% das empresas com mais de 50 funcionários sendo afetados por fraudes.

Pequenas empresas com 1-9 funcionários tiveram o menor percentual de negócios afetados por fraude em 10%, enquanto isso quase dobrou para empresas de médio porte (10-49 funcionários) em 19%.

Os setores em maior risco

Em um mundo digital, a ameaça de ataques cibernéticos não é incomum e com risco de violações de dados, fraude e danos à reputação – as empresas são o alvo número um dos cibercriminosos.

A nova pesquisa da Merchant Machine mostrou que o setor público teve mais de 22.000 incidentes no ano passado, o que inclui a distorção do site ou roubo de identidade. Eles também tiveram mais de 300 violações – o que significa que várias informações confidenciais foram colocadas em risco.

Não é nenhuma surpresa que o setor de TI (Informações) teve mais de 1.000 incidentes no ano passado, mas apenas 109 violações, uma das menores violações das indústrias estudadas, atrás apenas do setor de educação, com 101.

O setor imobiliário teve um dos piores números em ambos os ataques – apesar de ter apenas 368 incidentes no ano passado, o setor tem quase a mesma quantidade de violações em 338, tornando-se um dos mais arriscados para colocar informações confidenciais em risco.

SetorIncidentesViolações
Público22,788304
Em formação1,040109
Cuidados de saúde750536
Financeiro598146
Serviços profissionais540132
Propriedade368338
Varejo317169
Educação292101
Total53,3082,216

Países por risco

Nenhum país do mundo está protegido contra ataques cibernéticos e, com muitas cidades se transformando em centros financeiros e de negócios, há um risco maior de crimes cibernéticos. O Brasil lidera a lista com o maior número de e-mails arriscados – com mais de 35,7% dos e-mails enviados sendo maliciosos e mais de 60% dos e-mails sendo spam.

No entanto, a Arábia Saudita teve a maior quantidade de e-mails de spam no geral, com 66,8% dos e-mails enviados definidos como spam.

Todos os países que figuram entre os dez primeiros tiveram uma taxa de e-mail de spam de mais de 50%, enquanto o Brasil teve o maior número de e-mails maliciosos em 35,7%, sendo o menor em Omã de 3,6%.

PaísTaxa de e-mail mal-intencionado (%)Taxa de e-mail de spam (%)
Brazil3660.8
México29.758.1
Arábia Saudita5.266.8
Noruega12.859.1
Suécia12.458.3
China4.962.2
Sri Lanka4.160.6
Colômbia1157
EUA8.957.5
Omã3.658.6

Invasões da Indústria

Para ver quais países fizeram a lista ou quais empresas estão mais propensas a estar em risco em detalhes, você pode dar uma olhada no estudo completo da Merchant Machine aqui .

Adriano Lopes

Adriano Lopes é o criador e proprietário do MundoHacker.net.br. Desenvolvedor Web, Hacker Ético, Programador C, Python, Especialista em Segurança da Informação.