Parlamento da Austrália sofre tentativa de ataque cibernético

Os legisladores disseram que não há “evidências” de que informações tenham sido acessadas ou roubadas, mas as senhas dos políticos foram redefinidas por precaução.

Especialistas locais em segurança cibernética disseram que o hacker provavelmente veio de um estado estrangeiro.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse que não pretendia comentar em detalhes “a fonte ou a natureza disso”.

Ele disse que “não há sugestão” de que agências ou departamentos do governo tenham sido alvos. Os deputados e seus funcionários usam a rede do parlamento para armazenar e-mails, entre outros dados.

Mais cedo, legisladores do alto escalão disseram que não havia evidências de que a tentativa de hackear visasse “perturbar ou influenciar processos eleitorais ou políticos”.

No entanto, o líder da oposição, Bill Shorten, descreveu o incidente como uma “chamada de alerta”. Também provocou comentários de outros legisladores.

O governo australiano enfrentou uma série de ataques cibernéticos nos últimos anos, alguns dos quais foram atribuídos na mídia local a nações como a China.

Em 2015 e 2016, houve ataques de alto perfil contra as agências meteorológicas e estatísticas do governo. Em 2011, os ministros australianos seniores também tiveram seus sistemas de e-mail violados.

“Parece que outro estado-nação também está por trás desse ataque”, disse Fergus Hanson, do Australian Strategic Policy Institute, um centro de estudos de Canberra.

“Você estaria tendo acesso a trechos de correspondência entre políticos, funcionários e pessoas que dirigem o Parlamento – muitas informações interessantes.”